quem acredita em nós, em nossa arte...

quem acredita em nós, em nossa arte...
quem acredita em nós, em nossa arte...

quarta-feira, 6 de maio de 2009

SESSÃO MALDITA


Ficha Técnica:


Montagem: Cia. Retalhos de Teatro

Espetáculo: Dorotéia

Autor: Nelson Rodrigues

Direção: Dionatan Rosa



Elenco: Karina Maia...............................Dorotéia
Pablo Canales............................D. Flávia
Angela Rechia...........................D. Assunta
Jeferson Ilha..............................Carmelita
Cauã Kubaski............................Das Dores
Helquer Paez..............................Maura

Trilha Sonora Composta: Daniela Paez Coelho

Iluminação: Camila Mesquita

Cenografia: Cia. Retalhos de Teatro e Eveliini Pauler

Maquiagem: Helquer Paez

Figurino: Dionatan Rosa e Gustavo Diniz
SINOPSE

A peça desenvolve-se num universo repleto de absurdos, criado pela imaginação das personagens: a abstrata casa de três primas viúvas, todas de luto, num vestido longo e casto que esconde qualquer curva feminina. Elas conservam-se em obstinada vigília através dos anos. Nenhuma das três jamais dormiu para jamais sonhar.
Sabem que no sonho rompem volúpias secretas e abomináveis. São feias, têm a pele cheia de espinhas e irrupções. Pertencem a uma família na qual as mulheres possuem um defeito de visão: não enxergam os homens. Casam-se sem ver os maridos e, na noite de núpcias, são acometidas por uma náusea, depois da qual seus noivos apodrecem, vão se decompondo.
Dorotéia é a prima que tem o rosto belo e nu e é a única mulher da família que vê os homens. Só no final, ao se perder de si mesma e assumir a personalidade imposta pela artificialidade e hipocrisia social, renunciando em definitivo à beleza e à vitalidade, ela assumirá a máscara hedionda.

Concepção

A montagem do espetáculo teve como proposta investigativa a utilização da própria dramaturgia como ponto de referencia no processo de criação. A proposta abordou a ligação estreita entre as informações que autor deixou em sua criação e como elas podem servir de subsidio na montagem. Os exercícios aplicados ao longo do processo criativo foram formulados a partir das informações deixadas nas rubricas e no próprio texto.
O processo foi dividido basicamente em três momentos que aconteceram de forma aleatória: a criação a partir de movimentos abstratos estimulados a partir de jogos teatrais; criação a partir de improvisação com cenas e elementos do texto e construção das personagens, baseado na idéia apresentada no texto pelo autor.
O material adquirido através da aplicação dos exercícios e das improvisações foi organizado de forma a compor uma estrutura de movimentos e paralelo a esse procedimento foi inserido o texto a fim de transformar esses movimentos em ações de acordo com as rubricas e demais informações obtidas da análise textual.
O primeiro passo na execução do projeto seria o estabelecimento das diretrizes a se seguir, ou seja, as etapas do planejamento e montagem do espetáculo, eles seguiriam a seguinte ordem de aplicação: treinamento (preparação físico-vocal dos atores); método de criação (exercícios usados para criar os movimentos que comporiam o mapa de ações extraídas da análise textual), forma de trabalho com o material textual (inserção dos textos na estrutura a fim de construir a lógica da narrativa por parte dos atores) e criação de uma linguagem estética a partir da composição visual dos elementos. Para unir todos esses elementos optei por estabelecer como eixo criativo a dramaturgia.












Nenhum comentário:

Postar um comentário